quinta-feira , 17 agosto 2017
Home >> Curiosidades >> Lista reúne as maiores gambiarras e ‘bizarrices’ do mundo dos games

Lista reúne as maiores gambiarras e ‘bizarrices’ do mundo dos games

Desde os primeiros consoles lançados, as gambiarras fazem parte do mundo dos games. Os aparelhos possuíam vários truques para dar um “jeitinho brasileiro” de resolver certos problemas de funcionamento. De assopradas no cartucho até complexas modificações, as gambiarras guardam um lugar especial no coração dos jogadores até hoje. Confira algumas das maiores já realizadas.

Torradeira NES

O Nintendo 8 Bits, ou NES nos Estados Unidos, foi um console de grande sucesso que firmou a entrada da Nintendo no mundo dos games, porém ao abri-lo muitos jogadores se surpreendem ao ver quão simples ele realmente é. As peças internas não ocupavam todo o espaço do aparelho, na verdade eram bem pequenas, o que tornou bem fácil recolocá-las em outros objetos para transformá-los em NES funcionais. Uma dessas gambiarras mais famosas é a “Torradeira NES”, na qual se encaixam os cartuchos onde seriam inseridas as fatias de pão.

Consoles NES em torradeiras se tornaram uma gambiarra comum (Foto: Reprodução/Damn Geeky)
Consoles NES em torradeiras se tornaram uma gambiarra comum (Foto: Reprodução/Damn Geeky)

Mods para Xbox 360

Um dos problemas que ofuscou o sucesso do Xbox 360 nos primeiros anos foram as odiadas “Três Luzes Vermelhas da Morte”, um defeito de superaquecimento que inutilizou grande quantidade de consoles.

As Três Luzes Vermelhas da Morte eram um problema comum no início do Xbox 360 (Foto: Reprodução/YouTube)
As “Três Luzes Vermelhas da Morte” eram um problema comum no início do Xbox 360 (Foto: Reprodução/YouTube)

Para combatê-lo, jogadores criaram modificações internas com os nomes mais incomuns, como o “Mod Opala”, o qual usava a borracha do cano de escapamento do carro Opala para proteger do calor as partes importantes do videogame.

Assoprar o cartucho

Provavelmente a gambiarra mais conhecida, assoprar cartuchos é o truque que todo jogador tentou em sua época. Muitas vezes o jogo não iniciava ao colocar a fita no videogame, e presumindo que pudesse ser poeira nos contatos, os usuários assopravam para tentar fazê-lo funcionar, o que quase sempre dava certo.

Assoprar o cartucho poderia danificar o jogo (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)
Até hoje muitos jogadores ainda insistem que assoprar o cartucho ajuda a fazer o game funcionar (Foto: Lucas Mendes/TechTudo)

No entanto, estudos mais recentes afirmam que tratava-se de um placebo e que bastaria tentar conectar o cartucho repetidas vezes para que ele funcionasse, assoprando ou não.

PlayStation de cabeça para baixo

Outro console de sucesso com conhecido problema de durabilidade foi o PlayStation One, o primeiro videogame da Sony. Grande responsável pela popularização dos games em mídia ótica, o PlayStation usava um leitor que disparava luz contra o CD e assim lia a informação contida nele, porém o motor que o movia ficava um pouco “cansado” com o tempo. A solução para isso era virar o videogame de cabeça para baixo, tirando assim a desvantagem da gravidade quando precisava de movimentação.

Muitas vezes colocar o PlayStation de cabeça pra baixo era a única forma de ele rodar os jogos (Foto: Reprodução/The Magic Box)
Muitas vezes colocar o PlayStation de cabeça pra baixo era a única forma de ele rodar os jogos (Foto: Reprodução/The Magic Box)

Consertando um CD/DVD com pasta de dente

Uma desvantagem da mídia ótica em relação aos cartuchos era a durabilidade, já que era fácil arranhar um CD, e mais tarde DVDs. De acordo com famosa lenda urbana, um pouco de pasta de dente poderia consertar arranhões em discos, e por incrível que pareça, é verdade.

Descobrir que pasta de dente realmente funciona para consertar CDs e DVDs é uma das maiores surpresas dos jogadores (Foto: Reprodução/Windows Fixer)
Descobrir que pasta de dente realmente funciona para consertar CDs e DVDs é uma das maiores surpresas dos jogadores (Foto: Reprodução/Windows Fixer)

Como a maioria dos riscos é superficial, eles apenas atingem a camada protetora do CD/DVD que tem  cerca de 1mm. Os dados continuam intactos, apenas é preciso preencher esse risco com algum material para não dar erro de leitura.

Street Fighter 2: Rainbow Edition

A era de ouro dos fliperamas atingiu o ápice com a chegada de Street Fighter 2, jogo de luta que introduziu um nível de complexidade nunca antes visto nos combates e que perdura até hoje. No entanto, alguém achou que seria boa ideia hackear o game e alterar várias funcionalidades nele.

Street Fighter 2: Rainbow Edition era uma baita gambiarra em forma de jogo (Foto: Reprodução/Arcade Museum)
Street Fighter 2: Rainbow Edition era uma baita gambiarra em forma de jogo (Foto: Reprodução/Arcade Museum)

O hack ficou conhecido como Street Fighter 2: Rainbow Edition e era cheio de bugs. O game permitia soltar golpes especiais no ar, projéteis se multiplicavam e tomavam a tela inteira e até mesmo dava pra trocar de personagem com o botão Start. Ironicamente, isso soa semelhante ao conceito de X-Men Vs. Street Fighter.

Trocar baterias de cartuchos

Em uma época distante, antes dos Memory Cards, o progresso de cada jogador ficava guardado dentro do próprio cartucho. Os games utilizavam bateria simples, como as de relógio, que mantinham os dados por até 15 anos, desde que não ficasse muito tempo descarregada. Caso ela se esgotasse por causas naturais ou por procedência duvidosa do cartucho, era preciso abri-los e trocar essas baterias para que voltassem a funcionar.

Trocar baterias de cartucho não era muito difícil, exceto em alguns videogames (Foto: Reprodução/Retro Nintendo Reviews)
Trocar baterias de cartucho não era muito difícil, exceto em alguns videogames (Foto: Reprodução/Retro Nintendo Reviews)

Parafusos Nintendo

A primeira lembrança de quem teve consoles e cartuchos da Nintendo quando se fala em abri-los provavelmente são os temidos parafusos da empresa. Por muito tempo, a companhia japonesa usou peças que não podiam ser removidas com chaves comuns. A solução veio na forma das antigas canetas de plástico, que eram esquentadas até ficarem moles e assim poderem tomar a forma do parafuso.

Parafusos da Nintendo tornavam um pesadelo abrir seus produtos (Foto: Reprodução/PC Authority)
Parafusos da Nintendo tornavam um pesadelo abrir os consoles. (Foto: Reprodução/PC Authority)

Jogos de luta japoneses no Sega Saturno

Durante a febre dos crossovers da Marvel contra Street Fighter nos fliperamas, o PlayStation One não dava conta de fazer boas conversões desses jogos devido à falta de memória RAM, mas o Sega Saturno tinha versões perfeitas graças a um cartucho de RAM extra. No entanto, como o console da Sega não era muito popular, alguns desses jogos de luta só foram lançados no Japão e era necessário importá-los, além de destravar o console para rodar games de outra região. Para jogar Marvel Super Heroes vs. Street Fighter, por exemplo, o usuário tinha que plugar o cartucho de destravamento regional, colocar o título, ligar o videogame, tirar o cartucho, e então inserir o cartucho de RAM extra.

Jogos japoneses do Sega Saturno com cartucho de RAM exigiam agilidade para funcionar (Foto: Reprodução/Sega Saturn)
Jogos japoneses do Sega Saturno com cartucho de RAM exigiam agilidade para funcionar (Foto: Reprodução/Sega Saturn)

Super GB Booster

Era comum haver adaptadores nos consoles da Nintendo que permitiam a reprodução de jogos dos portáteis GameBoy da empresa na TV. Porém, o que poucas pessoas sabem é que havia um acessório não oficial que também funcionava no PlayStation.

O Super GB Booster era plugado atrás do console da Sony e fazia bom trabalho em rodar os jogos, exceto por um pequeno problema: o aparelho não reproduzia os sons. Para burlar o defeito, ele tinha uma música própria que tocava infinitamente em todos os games.

Adaptadores para o NES

Não são apenas jogadores que fazem gambiarras, as empresas às vezes também embarcavam nessa modalidade. Durante a febre do NES nos Estados Unidos, a Nintendo teve dificuldade de suprir a demanda por jogos no mercado e resolveu pegar alguns cartuchos japoneses já fabricados do Famicom e adaptá-los para o console.

Até mesmo a Nintendo já apelou para a gambiarra uma vez (Foto: Reprodução/eStarland)
Até mesmo a Nintendo já apelou para a gambiarra uma vez (Foto: Reprodução/eStarland)

O truque era um adaptador que existia no interior do cartucho e, ao abri-lo, o jogador poderia verificar que na realidade tratava-se de um jogo japonês plugado ao adaptador para funcionar no console americano.

Jogos japoneses no seu Super Nintendo

Diferente do NES e do Famicom, o Super Nintendo e o Super Famicom eram basicamente o mesmo console, mas ainda assim a Nintendo não queria que os jogos japoneses pudessem ser usados na versão ocidental do videogame.

As travas de plástico no Super Nintendo eram as únicas coisas que o impediam de usar jogos japoneses (Foto: Reprodução/Instructables)
As travas de plástico no Super Nintendo eram as únicas coisas que o impediam de usar jogos japoneses (Foto: Reprodução/Instructables)

Porém, os cartuchos eram completamente compatíveis, porém duas travas de plástico no console impediam o uso cruzado. Era comum os jogadores quebrarem as peças com alicates e então aproveitarem os jogos à vontade. Contudo, foram introduzidas posteriormente outras medidas de proteção.

About AkiTech

Criador e Gerador de Conteúdo do Site KassioInFo e Agora do AkiTech. Analista de Suporte e Entusiasta de Tecnologia e Telecomunicação.

Check Also

Os 10 filmes mais pirateados da semana (20/03/2017)

Os 10 filmes mais pirateados da semana (20/03/2017)